O valor da acessibilidade no design de interiores

Abril 11, 2017

O valor da acessibilidade no design de interiores

"Nossa, olhe que coisa, tem rampa e corrimão em todo lugar, tem elevador e tem banheiro de cadeirante!" ouço regularmente por aqui na loja.

E tem, sim. Cadeirante pode entrar pelo nosso jardim, visitar os ambientes, subir no andar das mesas de jantar e dos estofados pelo elevador, e, evidentemente, ir ao banheiro se precisar.  Que coisa, não é? Olhe, acontece que essa coisa, nada mais é do que a lei. Faz uma reforma? Faça de um jeito que todo mundo possa acessar.

Mas claro que - enquanto a gente estava aqui reformando - apareceu um anônimo espertalhão, recomendando que nada disso fosse feito, e que se pagasse em vez um rico cafezinho mensal aos fiscais: "ué, todo mundo faz assim". E era bom de contas, esse anônimo espertalhão, porque chegou a demonstrar, planilha na mão, que dividido pelos meses do contrato de aluguel, o gasto para a acessibilidade fica maior do que o cafezinho. Sem contar, claro, que "banheiro de cadeirante fica feio".

Óbvio (para quem nos conhece) que o espertalhão não foi tratado bem. Óbvio também que recebemos um par de visitas ameaçadoras adicionais, ao longo da obra, e óbvio que não cedemos e que fizemos o justo e o certo.

Mas isto para a Acierno não é só questão de conformidade frente a lei. É fundamentalmente convicção e identidade: como poderíamos afirmar que nossos móveis de design são para todos, e não deixar todos sequer vê-los?

Até porque o que fazemos da vida é desenhar, projetar, imaginar, reinventar. Móveis, claro, e de vez em quando ambientes completos também - quartos, cozinhas, salas de estar...

Assim, é só pensar no projeto, e o banheiro de cadeirante fica lindo, ou elegante, ou contemporâneo, ou surpreendente, tanto quanto o banheiro comum.

É só considerar rampa e corrimão no desenvolvimento do projeto, e eles passam a fazer parte da decoração do ambiente: se conseguimos encaixar uma viga de concreto dentro de uma cozinha sob medida, como fizemos recentemente para uma cliente, porque não conseguiríamos encaixar uma rampa no nosso espaço das salas de jantar? Pois é, conseguimos, e nem foi tão difícil.

E é só considera-lo nos vínculos de projeto, e o elevador de cadeirante se encaixa no ambiente loft do fundo, e funciona até de tela gigante para obras de street art. 

O papel do design, no sentido histórico e nobre de "desenho industrial", é de dar acesso a produtos belos e de qualidade ao maior número possível de pessoas, é melhorar a qualidade de vida e a estética do maior número possível de lares. É este, para a gente, o maior valor da acessibilidade. E é este, para a gente, o maior valor de trabalharmos com móveis de design e com design de interiores.

Na foto: acesso de cadeirante, em uma foto que veio do Mexico. Mas tem coisa similar, e até muito pior, na cidade de São Paulo.